Publicado em 8 comentários

Não mudei apenas cresci

Já fui muito ingénua ao ponto de acreditar em tudo que me diziam, já fui tudo desde que fui criança, já fui completamente uma miúda muito mimada que só via a felicidade ao longo da sua estrada e que quase não precisava de nada para ser recordada e para ser bem reservada.

Já perdoei erros imperdoáveis, já recusei pessoas insubstituíveis, e já esqueci pessoas inesquecíveis. Acreditei que a amizade era para sempre que o amor era para toda a vida e já suportei bastante más companhias. Fiz coisas que se calhar não devia e não sabia, perdoei coisas imperdoáveis e realizei de tudo o que mais havia, desde agir por impulso, até a achar que estava a ter uma grande inimiga.

tumblr_l94i4vCft01qcx9ipo1_500_large

Todavia, já magoei, já fui magoada e continuo a ser a mesma rapariga, que no fundo não mudou apenas cresceu, cresceu para a vida e para a fantasia, sou agora como uma libelinha, que significa algo de especial na minha vida como a renovação, o poder, o vento, a mudança, com a vontade de crescer, fortalecer e que vive com o pouco tempo que tem em prevalecer, simbolizando a luz as novas energias, a harmonia e a força.

Hoje é assim que me vejo como uma libelinha, com um espirito de uma criança, mas com uma maturidade de confiança. Não sou mais uma esperança eu cresci, amadureci e vivo com o poder e a força de quem aprendeu a viver, ir á luta e não esquecer de acreditar que tudo não passa de uma simples ilusão de quem soube viver pelas suas sombras na maior desilusão.

São poucas as pessoas que sabem enfrentar a vida, chega o momento de acreditar que a vida é nossa, somos nós que fazemos o nosso próprio caminho e que entendemos que não poderá haver melhor amor que ser um amor próprio. A maturidade é mesmo assim, permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade e querer cada vez mais com mais simbolismo e doçura.

Assim viver é lutar com determinação, viver com a paixão, perder a classe, ousar a ousadia, vencer os próprios obstáculos e atrever a acreditar que o mundo é para quem sabe permanecer nele e vive-lo é muito mais que ser insignificante.

“Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Auto-estima”.

Kim e Alison McMillen

Publicado em 2 comentários

Amei-te quando era adolescente amo-te no presente

Meu amor não tenho palavras para descrever o que vivemos desde quando fomos dois adolescentes. Vivemos momentos inseparáveis, momentos que nunca esquecerei e momentos que ainda acreditarei. Adolescentes fomos nós, sem qualquer senso e sem qualquer cumprimento, vivemos sempre o momento com  vontade, na gratidão e tive sempre a ti para me dares sempre a tua aptidão.

Seguimos como uns miúdos que viveram do perdão e não fazíamos a mínima ideia do que era a vida sem qualquer união. Apenas eramos dois jovens que andávamos a descobrir o amor, nem sabíamos realmente o que era a dor, a dor de amor.
Tudo o que mais queríamos era sim, viver a vida no paraíso, sem qualquer preconceito, sem qualquer defeito, e sem qualquer compromisso.

Neste momento, vivemos o presente mais  do que simplesmente, achamos que este querer e desejo é cada vez mais ardente, mas nada é igual ao que era antigamente.
Perduramos por cada instante em cada segundo, cada ano e cada minuto, a lembrar o passado que ficou para trás e a fazer cada vez mais para a nossa relação sempre conservar. Nada é mais bonito que ver os anos a passar!
Mas nem tudo são rosas, nesta vida temos as nossas lutas, as nossas discussões e as nossas angústias. Somos nada mais,
nada menos, que dois vínculos que acreditam que o amor vale a pena durar.

Amo-te no presente e quando era adolescente, amo-te quente e frio, apaixonei-me hoje e sempre por alguém que altamente divergente, mas, que sabe além de ser bastante diferente, amar, beijar e proporcionar algo bastante coerente. É difícil dizer não, para alguém que tanto conhecemos e muito mais difícil é deixar alguém magoado alguém que já tinha sido nada mais que nosso passado.

Se este amor vai durar, eu não sei, só sei que o que interessa realmente é o presente, algo que agora sinto adurente, algo que me dê mais prazer, encante e me alimente.
A verdade, é que o passado já passou, interessa agora é mesmo tudo que é vigente, o amor que é vivido, apetecido e nada mais que aprazido, claro e expressivo.
A verdade, é que eu amei-te quando era adolescente, amo -te no presente.

 

 

 

Publicado em Deixe um comentário

Sentimentos decidem as minhas opiniões

A saudade é um pouco como a fome, mas é ela que nos leva aos sentimentos que eu precinto desde que entrei no coração de um homem. Serão os sentimentos que decidirão ou não a minha opinião? Acredito que por detrás de um grande sentir existe sempre alguém que nos dará toda e só uma razão.

Não sei dizer não àquilo que realmente sinto, não sei ser uma pessoa sem alma e coração, não sei realmente ser uma pessoa sem dar qualquer opinião. Tudo que sinto digo, não minto, tudo que vejo olho com olhos de ver, e tudo o que eu digo são todos os sentimentos que tenho a dizer, sem qualquer preconceito, sem qualquer defeito e sem qualquer intelecto.

A minha opinião sobre o que sinto está descrita toda ela numa simples razão. Quando amamos alguém e esse amor não é correspondido o melhor que temos a fazer é não fazer nada. É inútil sentirmo-nos completamente perdidos e ir atrás de quem já nos quer mais que por um vencido. Os sentimentos são uma surpresa, nunca foram qualquer caridade, vivemos na esperança de ser amados por vezes por alguém que pouco faz a nossa vontade.

Procuramos sempre ser amados, mas esquecemo-nos de ser realmente compreendidos, mas será isso realmente o nosso objetivo? Vale a pena discutir por ciúmes, vale a pena cada um seguir o que gosta e esquecer os planos de que não gosta, será que vale a pena discordar sempre de várias opiniões se a pessoa não gosta da opinião do outro, nem de frequentar o mesmo lugar, para quê perder mais tempo. Se o que se tem não é amor é simplesmente um querer, um desejo, uma infantilidade que poderá ser nada mais que um simples detento.

O amor é exigente eu sei, ele não é perfeccionista, muito menos é para ser compreendido. Não existe explicação, não existe qualquer palavra que descreva o que é o amor e por isso, acho que serão os nossos sentimentos a decidirem quem estará a nosso favor e digo isto porque, não é que tenha a  razão, mas é para aqueles que sentem, que mudam, que vão atrás do que têm, do que faz bem, da sua opinião e daquilo que os contém, como vão atrás daquelas pequenas coisas que realmente o amor tem.

“Ame quem te dá amor, cuide de quem te cuida. Parece simples, mas a maioria esquece isso o tempo todo”.

Sentimentos Inversos

Publicado em 1 comentário

Exigente só para mim

Vivemos num mundo cheio de esperanças, onde os que ensinam são os professores, os que sabem mais são os doutores e os que fazem mais são os produtores. Somos um mundo de exigências, de grandes conveniências, de grandes matemáticas e grandes problemáticas. Somos o mundo de rodeios e anseios, procuramos sempre as grandes oportunidades e somos interferidos sempre pelas tempestades.
Temos de ser exigentes, a vida não depende dos outros, mas de todos nós.  A vida exige que o ser humano seja feliz, mas infelizmente nada muda, nada é igual ao que era a uns anos atrás. Vivemos das esperanças, das exigências, dos conselhos dos outros, e nada fazemos para mudar. Somos aquilo que plantamos e colhemos, somos aquilo que toda a gente vê, mas não sente, só nós sabemos de nós próprios e do que realmente queremos ser.
Lutamos sempre por aquilo que nos faz feliz e esquecemo-nos dos nossos limites e velocidades, acreditamos que nem tudo são rosas, é realmente difícil se amar. Não, não sou qualquer musa, que faz tudo da criação cientifica ou artista, não tenho dons, adoraria saber pilotar, adoraria saber tocar ou mesmo saber filosofar. Sou apenas eu, exigente para mim, que tem sempre vontade de aprender algo novo, que vive sempre na esperança de conhecer um novo povo e que sonha com algo como Porto Covo.
Exigente para mim, não respiro o perfeito nem a perfeição, apenas procuro sempre mais e sempre a evolução e a afinação, sou mulher que por mais que digam “não”, vou sempre pelo caminho da minha intuição. Escrupulosa e complicada, levo a vida às vezes um pouco afastada, porque nem sempre é fácil acreditar nesta estrada. São bastantes obstáculos a ultrapassar, são muitas vezes abrir a mente para respirar e outras vezes a acreditar, tentar para não correr o risco de desmotivar.
O inicio é sempre difícil de conseguir, os obstáculos são muitos a percorrer, mas sei, que no fundo é sempre algo e sempre será uma maneira de eu crescer. Contrafeito tudo e todos, não sou nada como os outros, sou sempre exigente para mim e mais abrangente para os outros. Se sei cuidar de mim? Talvez, talvez um dia aprenda o que é estar viva e o que vim aqui fazer. Agora, é hora de rivalizar, de aprender e amadurecer sem qualquer distúrbio um dia aparecer, sempre fazendo o melhor todos os dias.
“Só hoje fui capaz de perceber que o que vier a mim, virá por mérito meu, sem pressa, exigência, formalidade. Aos poucos a gente aprende que a vida só é bela vista por bons olhos. Os meus? Se são bons, eu não sei, mas tudo me faz bem, eu tô zen. Desculpa decepciona-lo, mas com a vida, meu amor, levo em banho-maria, que a nossa relação seja um laço sem nós. E que assim se faça entender”.
Sophia Brandão
 
 

Publicado em Deixe um comentário

Palavras de Amor

 

Hoje,  falarei das palavras de amor, porque não existe palavras mais verdadeiras para levantar o nosso esplendor. São palavras que nos inspiram e que sentimos, são elas que transformam o nosso coração e que nos levam até à união. Como eu gosto das palavras de amor, escritas numa carta ou mesmo transmitidas pela boca, transpondo a liberdade a paz e o espírito de uma alma. As palavras são todo o nosso viver, todo o nosso trespor, e não existe uma melhor declaração que as palavras de amor.

Basta apenas um “amo-te”, basta mostrar realmente o que sentimos, são as palavras que nos levarão até ao abismo, são elas que realmente lembram a importância de alguém e que eleva o nosso estado de espírito. É preciso dar palavras de amor, é necessário dar um carinho, vivemos todos nós  de um só sorriso.

As palavras de amor são para ser vividas, sentidas, jamais ousadas ou esquecidas, não desfaça esse amor por alguém que mostra de si e aos outros o seu verdadeiro clamor. Viva, porque viver são dois dias, lute pelo que nos faz bem e sonhe por aquilo que lhe faz feliz. Afinal é nas cavernas mais escuras, ou dentro das rochas que aparecem os grandes diamantes.

Todas as palavras são todas expressões que sentimos, com elas criamos laços que nunca imaginamos acontecer, são a elas que devemos a nossa história, são elas que nos dão animo ou mesmo pavor, sem elas nunca teríamos provado o sabor do amor.

Às vezes um punhal, outras um valente cristal, ou um incêndio ou mesmo apenas orvalho, são o segredo da nossa alma, a voz que nos acalma e a luz do nosso olhar. São as palavras de amor que realmente nos fazem vibrar, são simplesmente o sol e o mar, são elas que nos beijam e são algo que trazem novamente o desejo de voltar a amar.

“O meu amor eu guardo para os mais especiais. Não sigo todas as regras da sociedade e às vezes ajo por impulso. Erro, admito. aprendo, ensino. Todos erram um dia: por descuido, inocência ou maldade. Conservar algo que faça eu recordar de ti seria o mesmo que admitir que eu pudesse esquecer-te “.

William Shakespeare

Publicado em 5 comentários

Eu sou do mês de Fevereiro

Para todos aqueles que são como eu, que nasceram no mês de fevereiro e que mostram ter não mais que uma personalidade simplesmente simpática e humana, este texto é para vocês.
Somos pessoas honestas e leais, originais e brilhantes, somos o que vemos e o que sentimos, somos tudo que são distantes e tudo que nos chama pela liberdade constante. Vimos aqui para enfrentar o mundo, não compreendemos quando ele nos virará as costas e não somos capazes de aceitar uma traição muito menos inesperada.
Gostamos sempre de lutar, lutar pela humanidade e pelas boas causas, fazer e planear sempre um futuro melhor é sempre um dos nossos objectivos. Abrimos portas sempre para a novidade e para o que é a criatividade, somos seres raros e maravilhosos, aprendemos com o presente e reivindicamos sempre o futuro.
Para nós que nascemos em fevereiro, não gostamos de promessas vazias nem muito menos de nos sentirmos sós. Temos uma personalidade fora do comum seja ela forte, atraente e sincera no que mostramos para cada um. Acreditamos que algumas vezes somos tímidos e sensíveis como bastantes pacientes, mas sempre seres sentimentais, realistas e originais. Procuramos a verdade e aprender com os outros, somos verdadeiramente claros e lógicos no que realmente queremos, mas às vezes, bastantes radicais no que verdadeiramente sentimos, vivemos desilusões emocionais, o que nos leva a exigir demais sempre do nosso companheirismo.
Somos aquilo que muitos queriam ser, independentes e livres. Para nós interessam-nos mais as ideias que propriamente os factos como gostamos muito mais de fazer projetos que propriamente realiza-los.
A independência faz igualmente falta como o próprio ar que respiramos e não conseguimos estar muito presos, temos de voar, conhecer e aprofundar. Adoramos sonhar e projetar. A novidade é sempre um sonho, somos bastante tímidos, mas depois de termos o à vontade adoramos brilhar adoramos mostrar e principalmente ganhar.
Contudo, eu adoro ter nascido no mês de fevereiro, formado por vinte e nove dias, tenho uma personalidade forte, gosto de tudo que é criativo, de artes e da tecnologia, escrevo porque me faz bem, me liberto, vivo do imaginário e do que é imenso, e prefiro sempre seguir os meus gostos incomuns, tendo determinado apreço a verdades cientificas e universais, como tendo muitas vezes a acreditar no que não é verdadeiramente real e no impossível.
Fonte:http://www.euroresidentes.com/
 
 
 
 

Publicado em Deixe um comentário

O nosso amor é transparente

O amor é transparente não se vê sente-se e eu continuo a ser a rapariga inocente. Não sei ao certo se amo ou se desejo, sei que é tudo novo para mim e é tudo que eu mais quero. Não tenho medo de dizer que sou maluca e tento no mundo transparecer, não, não sou aquela que disfarça e se esconde o que sente, só sei que o nosso amor é verdadeiro, é transparente.

Mas nada como um dia depois do outro, nada como o silêncio após o barulho, nada como a paz depois da guerra, nada melhor que descansar na sua própria companhia ou na companhia do outro, nada como disfarçar o que já foi disfarçado, e nada como transcrever o que já foi transcrito numa simples palavra de “amor”.

Porém, não morro de amores por quem seja mistério, quando alguém é feliz sem ser abençoado é raro leva-lo a sério. O nosso amor é transparente é de acreditar, é simples e sincero é a coragem de expandir os sentimentos e de tudo que seja mais um argumento.

O nosso amor é mesmo isso transparente não se vê, sente-se e nota-se, é como a água da vida com cheiro e sabor, é puro e límpido, é tudo que é verde, é simplesmente transparente. Da cor do mar do transparente da água e do vento, assim nasceu o nosso amor, sem terra e sem mar, o nosso amor é assim que eu gosto de explicar, e nada mais voltará para nos encarar.

Um dia, eu vou poder amar-te na chuva, mesmo ela sendo tão imprevisível, procurarei ser a tua companhia. Não esperes nada de mim não venho para servir, muito menos agradar, mas tento de todo ser o espelho transparente para contigo um dia ficar e um dia sonhar a acreditar, acreditar que o nosso amor será sempre aquele amor que nasceu para amar.

Publicado em 1 comentário

Talvez eu precise de acreditar!

Talvez eu precise de acreditar! Não sei sentir algo ou alguém em silêncio, muito menos sei estar calada por algo que me desagrada. Eu tenho sentimentos e tento transmiti-los na escrita ou mesmo na música. A vida trouxe-me tanta alegria, confiança, mas, também trouxe-me a tristeza. Talvez tenha perdido o ser que sou em certas situações, ou talvez, tenha encontrado realmente quem eu sou, talvez.

A vida é feita toda ela de “talvez” talvez poderei fazer mais um dia, talvez não lutei o suficiente, talvez fiz o que estava certo ou errado, talvez…Alcancei a confiança de quem gosto, resolvi problemas sem ninguém, tentei sempre manter a firmeza e a amizade de quem eu gosto e a coragem de não fechar os braços para quem sempre soube abri-los.

Hoje, guardo melhor um sorriso, acredito que a tristeza será mais pequena e Deus talvez falará mais ao meu ouvido, sempre na esperança de poder acreditar e lutar. Lutar para algemar a dor, lutar para me controlar a cor, e lutar até ganhar fervor e até poder alinhar os sentimentos com amor, acreditar, acreditar que tudo ficará bem, que existe sempre um caminho a chegar, e que um novo mundo irei alcançar, e uma nova vida irei fazer até quando o inverno das minhas emoções voltar novamente a aparecer.

Não duvido nada do valor da vida, do prazer dela e de tudo que a faz crescer, mas duvido de tudo que ela me faz comprometer, de tudo que vem, volta e volta a desaparece, o do que me faz controlar. Tenho certas duvidas sobre a miséria, da intolerância, do egoísmo das pessoas e de tudo que não me deixa acreditar.

Se dou valor a vida? Talvez, talvez um dia eu acredite e entenda porque passamos por tudo isto, e talvez muito mais, a perceba, o quanto temos de passar por esta, para poder acreditar, acreditar, no que vale a pena lutar no que nos faz perder o controle com frequência e no que poderíamos ganhar, por medo de simplesmente não arriscar.

Mas, nada como o tempo para nos mostrar verdadeiramente, isso e perceber que precisamos dele para sonhar, descobrir os nossos sonhos, abrir novas portas, a gostar de mim, a sonhar com alguém,  a fortalecer o nosso jardim, cuidando sempre das nossas flores, e talvez, a acreditar que um dia tudo que preciso e mais quero irá por fim acontecer.

“Considero o mundo por aquilo que ele é, Graciano: / Um palco em que cada um deve recitar um papel, / e o meu é um papel triste”.
William Shakespeare