Publicado em 8 comentários

Não mudei apenas cresci

Já fui muito ingénua ao ponto de acreditar em tudo que me diziam, já fui tudo desde que fui criança, já fui completamente uma miúda muito mimada que só via a felicidade ao longo da sua estrada e que quase não precisava de nada para ser recordada e para ser bem reservada.

Já perdoei erros imperdoáveis, já recusei pessoas insubstituíveis, e já esqueci pessoas inesquecíveis. Acreditei que a amizade era para sempre que o amor era para toda a vida e já suportei bastante más companhias. Fiz coisas que se calhar não devia e não sabia, perdoei coisas imperdoáveis e realizei de tudo o que mais havia, desde agir por impulso, até a achar que estava a ter uma grande inimiga.

tumblr_l94i4vCft01qcx9ipo1_500_large

Todavia, já magoei, já fui magoada e continuo a ser a mesma rapariga, que no fundo não mudou apenas cresceu, cresceu para a vida e para a fantasia, sou agora como uma libelinha, que significa algo de especial na minha vida como a renovação, o poder, o vento, a mudança, com a vontade de crescer, fortalecer e que vive com o pouco tempo que tem em prevalecer, simbolizando a luz as novas energias, a harmonia e a força.

Hoje é assim que me vejo como uma libelinha, com um espirito de uma criança, mas com uma maturidade de confiança. Não sou mais uma esperança eu cresci, amadureci e vivo com o poder e a força de quem aprendeu a viver, ir á luta e não esquecer de acreditar que tudo não passa de uma simples ilusão de quem soube viver pelas suas sombras na maior desilusão.

São poucas as pessoas que sabem enfrentar a vida, chega o momento de acreditar que a vida é nossa, somos nós que fazemos o nosso próprio caminho e que entendemos que não poderá haver melhor amor que ser um amor próprio. A maturidade é mesmo assim, permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade e querer cada vez mais com mais simbolismo e doçura.

Assim viver é lutar com determinação, viver com a paixão, perder a classe, ousar a ousadia, vencer os próprios obstáculos e atrever a acreditar que o mundo é para quem sabe permanecer nele e vive-lo é muito mais que ser insignificante.

“Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Auto-estima”.

Kim e Alison McMillen

Publicado em 2 comentários

Amei-te quando era adolescente amo-te no presente

Meu amor não tenho palavras para descrever o que vivemos desde quando fomos dois adolescentes. Vivemos momentos inseparáveis, momentos que nunca esquecerei e momentos que ainda acreditarei. Adolescentes fomos nós, sem qualquer senso e sem qualquer cumprimento, vivemos sempre o momento com  vontade, na gratidão e tive sempre a ti para me dares sempre a tua aptidão.

Seguimos como uns miúdos que viveram do perdão e não fazíamos a mínima ideia do que era a vida sem qualquer união. Apenas eramos dois jovens que andávamos a descobrir o amor, nem sabíamos realmente o que era a dor, a dor de amor.
Tudo o que mais queríamos era sim, viver a vida no paraíso, sem qualquer preconceito, sem qualquer defeito, e sem qualquer compromisso.

Neste momento, vivemos o presente mais  do que simplesmente, achamos que este querer e desejo é cada vez mais ardente, mas nada é igual ao que era antigamente.
Perduramos por cada instante em cada segundo, cada ano e cada minuto, a lembrar o passado que ficou para trás e a fazer cada vez mais para a nossa relação sempre conservar. Nada é mais bonito que ver os anos a passar!
Mas nem tudo são rosas, nesta vida temos as nossas lutas, as nossas discussões e as nossas angústias. Somos nada mais,
nada menos, que dois vínculos que acreditam que o amor vale a pena durar.

Amo-te no presente e quando era adolescente, amo-te quente e frio, apaixonei-me hoje e sempre por alguém que altamente divergente, mas, que sabe além de ser bastante diferente, amar, beijar e proporcionar algo bastante coerente. É difícil dizer não, para alguém que tanto conhecemos e muito mais difícil é deixar alguém magoado alguém que já tinha sido nada mais que nosso passado.

Se este amor vai durar, eu não sei, só sei que o que interessa realmente é o presente, algo que agora sinto adurente, algo que me dê mais prazer, encante e me alimente.
A verdade, é que o passado já passou, interessa agora é mesmo tudo que é vigente, o amor que é vivido, apetecido e nada mais que aprazido, claro e expressivo.
A verdade, é que eu amei-te quando era adolescente, amo -te no presente.

 

 

 

Publicado em Deixe um comentário

Serei sempre eu com uma chávena de café!

Por vezes forte, meiga e por outras vezes ácida, fria e deprimida esta serei sempre eu.
Nem sempre igual ao que escrevo e ao que exprimo, há dias que não me apetece revelar quem realmente sou e há dias que revelo realmente quem eu sou.
Mas quem olhar bem, repara que eu me apaixonei pelo sol vibrante de tanto calor e pela rapariga que apesar de tudo ama ser quem é.
Esta serei sempre eu com uma chávena de café para aquecer nos dias mais frios e acordar-me nos dias mais tenebrosos.  Sou uma pessoa ardente, árdua que mostra os pés bem assentes na terra, que ama ser como é, que vive  sempre, que diz muitas vezes que é feliz mas muitas vezes que nada melhorou e a chávena derramou.

Em momentos, pergunto-me porque a vida é tão ingrata,  tão mal merecida e necessito saber realmente quando esta etapa chegará ao fim. Assim, perdemos a alegria, o sentido da vida e insistimos permanecer nela até tudo voltar ao que era antes.  A vida é mesmo assim, ninguém pode prever ao mesmo tempo o presente e o passado, muito menos o futuro, quando tentarmos entender as coisas que acontecem connosco, sentimo-nos culpados, sem rumo e com uma grande angústia  porque a nossa alegria desapareceu.

As coisas passam, e o que podemos realmente fazer é deixar ir é bom realmente mudar, mudar para melhor e isso eu tento fazê-lo todos os dias. Tudo que existe neste mundo visível é uma manifestação de um mundo invisível e tudo que está num mundo invisível reaparece. Ninguém advinha a sorte muito menos sabe o seu azar, portanto é certo que às vezes ganhamos outras vezes perdemos. Existimos porque a vida assim o é e somos seres obrigados a viver do que o destino previu.

Esperando muito de mim, muito mais do que eu posso imaginar, é por essa razão que eu muitas vezes tento fugir. Eu sou apenas uma rapariga normal como tantas outras, que olha para si mesma e percebe que muitas das vezes o coração gelou. Olho para mim  e reparo que a minha pele é bem seca, os meus olhos penetrantes, a minha boca húmida e as minhas mãos geladas, mostram coragem, sonho e união.

Esta serei sempre eu com uma chávena de café, para o bem e para o mal, luto por aquilo que sou, desistir, nunca, irei atrás do meus grandes objectivos e o que a vida assim me reservou cheia de desafios. Esta serei sempre eu, o suficiente para encarar a mim mesma, fazendo-me de forte e trazendo a paz e a felicidade que sempre desejei.
Só quero que aceitem como eu sou, porque não tenho garantias de nada, nem tenho a defesa de ser alguém perfeito, eu também erro e errar faz parte da natureza humana, eu também falho, porque falhar faz parte do carácter da pessoa. Meu conhecimento é incompleto e procuro a todo o tempo ser uma aprendiz, porque sou eu, só eu, e tenho um longo caminho a percorrer, assim como todos nós, porque eu sou sempre eu e não existe mais ninguém igual a mim.

“Apesar de tudo, eu sou apenas eu.” 
Camille Labanca



Visualizar perfil de Ana Margarida Costa no LinkedIn Visualizar perfil de Ana Margarida Costa
Follow my blog with Bloglovin