Publicado em 7 comentários

Vontade de amar quem me ama

não sei amar

Que vontade de amar!

Aconteceu outra vez!

De uma forma tão inesperada

Agora não consigo dormir

Como é possível que me deixes deste jeito?

 

Os nossos destinos cruzaram-se inesperadamente nessa noite.

Dois meses se tinham passado desde aquela fantástica tarde que mudou a minha vida para sempre! Desde então, pensava em ti todos os dias, tentando entender o que se havia passado.

Terias sentido o mesmo?

Como poderia saber se nunca mais falamos?

Recordei vezes sem conta os momentos que passamos juntos. Tentei perceber se alguma vez me tinhas dado um sinal de que poderias ter algum interesse em mim.

Por incrível que pareça, recordei vários momentos e palavras que trocamos, fiquei ainda mais confusa!

Como não reparei nisto antes?

Algo me diz que gostas de estar comigo! Mas então porque desapareceste?

O que significaria isto afinal?

Durante estes meses convenci-me de que estava errada e tentei esquecer-te.

Mas eis que o destino nos juntou novamente. Nessa noite acenei-te e sorri, tentando ignorar todo e qualquer sentimento que me inquietava, e tu retribuíste timidamente.

Ofereceste-me boleia para casa, e eu quase que recusei. Quase… Uma parte de mim queria muito estar contigo e a outra, talvez a mais sensata, dizia-me que eu não morava assim tão longe por isso podia ir a pé, não havia necessidade de estar tão perto de ti outra vez.

Como é óbvio, dei mais ouvidos ao louco do meu coração e ignorei a minha sensatez.

Tenho de admitir que valeu a pena!

Desbloqueaste aquele silêncio, perguntando-me como tinha corrido o meu dia, e num instante começamos a falar das coisas aleatórias que preenchiam os nossos dias, sem nunca mencionar o que se havia passado.

Como poderia saber se não seria uma fantasia da minha imaginação? Porque não abordavas este assunto?

Assim que chegamos a minha casa, a conversa estava tão animada que optaste por desligar o motor do carro. O meu coração sorriu!

Três horas mais tarde olhaste para o relógio e admirado comentaste: “Já são estas horas? Parece que só estamos aqui há meia hora!”. Senti-me tão bem! E por momentos temi que quisesses ir embora. Mas não foste!

É tão difícil expressar a minha vontade de estar perto de ti e de não te deixar ir embora. Uma vontade enorme de te tocar, de te abraçar, de te sentir perto de mim… mas não sei como poderás reagir.

Em que estarás a pensar?

Não me importo que nada aconteça, mas por favor não te vás embora!

Eram já cinco da manhã quando finalmente decidimos que seria melhor irmos dormir. Teríamos de trabalhar no dia seguinte.

Eu não queria nada que fosses… não queria deixar de sentir… será que se voltaria a repetir?

No momento da despedida, eu tremia de tal forma que não conseguia saber o que dizer, o que fazer

Não consegui… tal era o medo que algo pudesse estragar aquele momento mágico que optei por sair à pressa sem sequer me despedir.

Mas que asneira foi esta? O que queria eu afinal?

Não seria aquele um sinal de que pudéssemos estar em sintonia?

 

Que vazio é este que estás a preencher no meu coração?

 

vontade-de-amar

 

 

Publicado em 5 comentários

A Mudança

Mudança

A mudança, somente, se dá quando damos o primeiro passo.

Toda e qualquer mudança tem de vir da consciencialização de melhorar, crescer, evoluir e ser uma nova pessoa, e isso tem obrigatoriamente de passar pelo nosso interior, pois ninguém poderá fazê-lo, para além de nós.

De nada adianta maquilhar o rosto, ter um novo estilo de roupa, um jeito diferente de andar, uma nova pose para a fotografia, se não efectuamos a mudança mais importante que é aquela que nasce dentro de nós, de forma franca e honesta e de um jeito transformador e consciente.

Muita gente, acredita que uma pincelada no visual, uma coloração diferente nos cabelos e um retoque na maquilhagem consegue transformar seus dias em beleza e atracão, em mudança radical e no nascer de uma pessoa diferente…mas esse é um grande e traiçoeiro engano! Só mudamos de verdade quando nos olharmos por dentro e descobrirmos o que nos torna mais infelizes, o que nos faz sentir no inferior, o que nos afasta do bem, o que nos corrói a alma e o que faz padecer pelos nossos erros.

Partindo dessa constatação, feita com o coração puro e consciente da necessidade de mudar, é que realmente mudamos, crescemos, iluminam-nos, tornamos-nos mais doces, mais humanos. É aí que evoluímos! Ganhamos mais maturidade e com isso aprendemos a usar as nossas experiências da vida a nosso favor, especialmente aquelas que nos deixam marcas mais negativas. As tais que causam maiores estragos  cada vez mais na nossa alma.

Em suma, o medo é assustador. Damos por nós a pensar: “e se der tudo errado de novo”? E é um pensamento legítimo. Se já erramos bastante, ao tentar de novo o receio torna-se maior. No entanto, pior ainda que não tentar uma nova mudança é continuar estagnado.

A mudança pode ser assustadora, mas são estritamente necessárias para que tudo se possa transformar!