Publicado em 6 comentários

Será possível entender o amor? Que sei eu afinal?

Que sei eu da vida afinal?

Todos os dias uma nova aventura,

Todos os dias aprendo algo novo,

Todos os dias descubro que afinal estava errada!

Será esta a beleza da vida?

Chegaste de mansinho

Entraste na minha vida pé ante pé

Foste apenas um amigo

Aquele tão desejado amigo

Nessa mesma altura, em que o mundo parecia desabar aos meus pés…

De verdade que não me dei conta do que estava a acontecer.

Até aquele dia!

Sim, aquele tão enigmático dia, que teria sido apenas mais uma tarde que passamos juntos…

Mas não, não foi mais um dia! Ali o meu coração estremeceu, o meu corpo e a minha mente já não me obedeciam. Nesse dia, o mundo parou por breves instantes e estávamos ali os dois sozinhos. Tu sorrias e eu retribuía, enquanto dizia coisas sem sentido por não saber como reagir.  Eu não queria ir embora, não queria deixar de sentir, mas não conseguia ficar. As palavras já não mais faziam sentido e só consegui fugir.

Será possível?

Não consegui precisar se sentiste o mesmo, mas algo me dizia que sim.

Vim embora de coração acelerado e sorriso nos lábios.

Mas que raio se tinha passado? Pode a música unir dois corações deste jeito?

Mandaste mensagem… que queria isso dizer? Fiquei eufórica e deixei escapar um desabafo de que tinha adorado o dia e que me sentia bastante feliz.

E tu? Nada!… De um momento para o outro desligaste a ficha e deixei de saber de ti.

O que foi isto afinal? Fui eu que interpretei mal?

Mesmo sem saberes, conseguiste que eu me apaixonasse por ti, ou terá sido de propósito?

É horrível não saber… mais difícil ter a coragem de perguntar… mais vale esquecer…

Mas que medo é este de querermos ser felizes?

Valerá a pena insistir?

Algo me diz que sou apenas mais uma, tentando convencer-me do contrário.

E assim vou vivendo o meu drama, sem saber se devo ou quero esquecer.

Este sentimento despertou em mim uma nova vontade de viver, de querer ser melhor, de sorrir para a vida! Esta é uma felicidade que há muito não sentia…

Ver-te… deixa-me desconcertada… é mais fácil fingir que não estás…

Lamento não saber o que pensas ou sentes, mas bem no fundo do meu ser, eu acho que sei. Sou só mais uma, tentando convencer-me do contrário.

Porquê?

Talvez não queira que este sentimento se desvaneça tão rapidamente como apareceu. É tão bom estar apaixonada! Mesmo que seja passageiro, mesmo que não seja correspondido.

O que seríamos nós sem o amor?

 

Afinal há paixão

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

Publicado em 2 comentários

O sentido da vida

Sentido para a vida

Eu procuro um sentido para vida e acabo por perceber que a vida não faz sentido é muito melhor sentir do que entender, que é muito melhor viver do que ver a vida a passar.

Então, no meu diálogo comigo mesma acabo por entender que não preciso de sentido para viver, que vivo mesmo sem querer, e que mesmo sem querer, descubro o quanto é bom viver.

Não falo apenas de viver por viver, nem quero estar apenas a respirar. Quero sentir o meu coração bater, e cheirar o perfume das flores.

Quero também que o meu coração bata de emoção e de adrenalina. Não preciso de respostas, nem de explicações, nem de fórmulas e nem de conselhos, apenas preciso de determinação e o resto descubro eu por mim.

Eu não necessito de dinheiro, nem de fama, nem de elogios, porque sei o que sou e isso basta.

Eu não preciso de um dia de sol, eu divirto-me com a chuva. Não quero saber de tudo porque o que me dá forças para isso tudo é a incerteza e, consequentemente a busca por essas respostas.

Não tenciono fazer planos ou traçar metas, porque nunca conseguiria entender o que realmente quero.

Não preciso de modelos, de inspirações e nem pretendo ser igual a ninguém, quero apenas ser eu mesma, viver meus sonhos, cometer meus erros e celebrar as minhas vitórias. Eu não preciso de falsidade nem de hipocrisia, quero somente a verdade pois desprezo a mentira.

Eu não necessito de muito para ser feliz, pois consegui encontrar a felicidade nas coisas mais simples, e consigo ter paz só de ver o teu e o sorriso dos outros.

Não quero mais encontrar um sentido para vida e não quero mais tentar entender o inexplicável. Não preciso mais disso, pois já encontrei mais de mil motivos para viver!