Publicado em 10 comentários

Perder a inocência é perder tudo

A partir deste dia tenho uma acompanhante que vai lançar os seus textos neste blog. Chama-se Iridis  e é tão sentimental como eu 🙂 Espero que gostem e ela também…

Um abraço da equipa Sentimento&Emoções.

Será que sabe tudo sobre relações?…

Eu posso já garantir-lhe que não sabe! Quer esteja numa relação de longos anos, quer tenha tido diversos relacionamentos ao longo da vida, mesmo que já tenha idade para ter bisnetos, na verdade todos os dias aprendemos mais um pouco, e acabamos por morrer sem saber muitas das coisas que achávamos saber agora.

Hoje em dia vivemos o culto da palavra sexo. Em qualquer programa de televisão, filme, novela, revista, jornal, publicidade e (quase que poderia dizer: em qualquer) livro… a banalização do sexo está a destruir todo o conceito da palavra relação. Atrevo-me mesmo a confessar que às vezes sinto que o mundo está perdido, quando vejo um reality show a declarar que “o amor está no ar”, quando na realidade estamos a falar de relações fantasiosas completamente baseadas em aparências, sexo, dinheiro, fama… (e o pior é que eles sabem disso, mas e os espetadores?…)

Esta manipulação da comunicação social no que toca a relações humanas está a confundir os sentimentos da maior parte das pessoas. Quando ouço alguém dizer-me “eu não sou assim; sinto-me uma ET; acho que nasci no tempo errado”, apercebo-me que este é de facto um problema bastante grave! Porque neste mundo é muito fácil repetir o comportamento dos outros para se adaptar e ser igual aos outros; o difícil é ser diferente e não abandonar os nossos princípios seja em que situação for.

O mais grave desta situação são as crianças… os jovens… os adultos de amanhã que estão a crescer sob estes princípios e que (na maioria das vezes) não têm quem lhes diga que não faz mal ser diferente, que é na diversidade que está a autenticidade de cada um de nós. Pelo contrário, a sociedade está sempre a pressioná-los para que sejam iguais aos outros, caso contrário acabam por ser marginalizados (e sofrer de bullying).

RELAÇÃO

Vamos então refletir sobre o significado da palavra relação. Como podem ver pela definição no dicionário: relação não significa praticar sexo! Talvez hajam muitas pessoas que confundam com o seu plural: relações (ato sexual, cópula). Por exemplo, quando alguém diz “Eu estou entre relações”, talvez pretenda dizer que vai fazendo sexo com quem calha e vai passando assim o tempo até encontrar alguém que lhe faça querer ter uma RELAÇÃO. E se assim for, não tenho nada contra.

O problema é que na maioria das vezes não é isso que as pessoas sentem. Há uma confusão enorme entre o que é gostar de alguém e o que é a atração física. As pessoas mal se conhecem e já acham que se amam muito, mas passado um ou dois meses (se tanto) já nem sequer têm consideração pela outra pessoa. A esse comportamento dá-se o nome de paixão. É o desejo ardente de estar com aquela pessoa, a vontade de fazer sexo, não poder respirar sem ter aquela pessoa perto de nós. No entanto, a paixão é passageira, e a seguir a ela vem a derradeira prova. Será isto amor?

Na realidade, muitas pessoas não sabem o que é amar alguém. E este assunto torna-se importante por esta mesma razão. Há cada vez mais depressões e pessoas infelizes, e em parte é devido às relações humanas de hoje em dia, ou à falta delas. Vamos novamente ao dicionário:

Picture1

Está aqui toda a informação de que precisamos, agora só necessitamos de a pôr em prática. É importante que não tenhamos receio de nutrir estes sentimentos por alguém, muito pelo contrário, a sensação de amar e ser amado é a melhor do mundo! E aqui refiro-me a todos os tipos de amor, seja entre familiares, amigos ou namorados.

Não deixe de amar alguém pelo medo de sofrer, de ter uma desilusão, por não ter paciência para aceitar o outro por todas as suas qualidades e defeitos. Amar é isso mesmo. As relações sexuais são importantes para a intimidade de um casal, mas nunca devem ser a base da relação. Porque todos sabemos como isso acaba. É importante que saibamos que uma relação amorosa ou de amizade exige muito de nós e tem os seus altos e baixos. E é ainda mais importante que os adultos acompanhem as crianças e jovens no seu crescimento, e que não os deixem esquecer-se da razão pela qual viemos nós ao mundo, senão para amar.

Vamos amar mais! Vamos sentir mais! Vamos viver mais! Combinado?

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

Publicado em 2 comentários

Amei-te quando era adolescente amo-te no presente

Meu amor não tenho palavras para descrever o que vivemos desde quando fomos dois adolescentes. Vivemos momentos inseparáveis, momentos que nunca esquecerei e momentos que ainda acreditarei. Adolescentes fomos nós, sem qualquer senso e sem qualquer cumprimento, vivemos sempre o momento com  vontade, na gratidão e tive sempre a ti para me dares sempre a tua aptidão.

Seguimos como uns miúdos que viveram do perdão e não fazíamos a mínima ideia do que era a vida sem qualquer união. Apenas eramos dois jovens que andávamos a descobrir o amor, nem sabíamos realmente o que era a dor, a dor de amor.
Tudo o que mais queríamos era sim, viver a vida no paraíso, sem qualquer preconceito, sem qualquer defeito, e sem qualquer compromisso.

Neste momento, vivemos o presente mais  do que simplesmente, achamos que este querer e desejo é cada vez mais ardente, mas nada é igual ao que era antigamente.
Perduramos por cada instante em cada segundo, cada ano e cada minuto, a lembrar o passado que ficou para trás e a fazer cada vez mais para a nossa relação sempre conservar. Nada é mais bonito que ver os anos a passar!
Mas nem tudo são rosas, nesta vida temos as nossas lutas, as nossas discussões e as nossas angústias. Somos nada mais,
nada menos, que dois vínculos que acreditam que o amor vale a pena durar.

Amo-te no presente e quando era adolescente, amo-te quente e frio, apaixonei-me hoje e sempre por alguém que altamente divergente, mas, que sabe além de ser bastante diferente, amar, beijar e proporcionar algo bastante coerente. É difícil dizer não, para alguém que tanto conhecemos e muito mais difícil é deixar alguém magoado alguém que já tinha sido nada mais que nosso passado.

Se este amor vai durar, eu não sei, só sei que o que interessa realmente é o presente, algo que agora sinto adurente, algo que me dê mais prazer, encante e me alimente.
A verdade, é que o passado já passou, interessa agora é mesmo tudo que é vigente, o amor que é vivido, apetecido e nada mais que aprazido, claro e expressivo.
A verdade, é que eu amei-te quando era adolescente, amo -te no presente.

 

 

 

Publicado em 3 comentários

Não existem príncipes Encantados

Antes pensava que o meu príncipe encantado existia e que me vinha buscar num cavalo branco, como naqueles filmes de desenhos animados que vemos quando somos uns pirralhos. Como era bom sonhar sempre com esse momento único, uma história sem fim e com um final feliz.
Mas, agora digo não acredito nem um pouco no amor à primeira vista, no príncipe encantado nem muito menos na bela adormecida, não acredito quando dizem “Felizes para sempre” e tudo que seja “Para sempre”, tudo isso é uma imaginação, não é muito falado com coração e não passa de uma história que muitas vezes acaba em desilusão, de um sentimento incondicional, num romance total e infinito com votos de promessas de uma eternidade.

Acredito, sim, no amor vivido, construído, um dia melhor que o outro, e na reconstrução sempre de um amor melhor, sem rodeios, sem anseios e sem promessas. Acredito no sentimento regado, colhido e preenchido. Não acredito no infinito, no sentimento errado, desequilibrado e sem esperança para ser vivido, como acredito, no amor que sinto e no que ele me faz sentir todos os dias por ser amada.
Mas para todos nós eu digo e repito, não acredito nada em príncipes encantados, daqueles que correm sempre atrás, que dormem como galãs, e que acordem como os príncipes encantados, todos as manhãs. Não meninas esqueçam! Esqueçam que existem. Ele foi feito todo como nós, eles só existem nos contos de fadas, ele é apenas mais um que tu amas, aquele que dá a cara para te ver todos as noites despenteada e aquele que muitas vezes achas uma criançada.

Infelizmente não existem amores platónicos, amores infinitos, eu sempre soube que não existiam príncipes encantados. Na verdade, confesso que já acreditei em contos de fadas, principalmente aqueles que via sempre na televisão do meu quarto deita na minha cama. Hoje percebo que sou mais uma como tantas outras almas, e que estes contos de fadas, não passavam de contos e histórias para declamar a minha calma. Pensando bem, acho que aqueles momentos me faziam mais bela e era o único momento em que eu acreditava, que era mais uma autêntica Cinderela.

Hoje, vejo que tudo não passou de uma ilusão e que os príncipes encantados nunca mais existirão e que tudo não passa de mais uma imaginação. Hoje, sei que é apenas alguém que cala com um beijo que sente com desejo, e que ama com sentimento. Hoje, descrevo o que há muito irei temer e penso em alguém que goste verdadeiramente de mim e que me possa corresponder.

“Não sou perfeita. Não tenho pretensão de o ser. Tenho em mim quase todas as qualidades do mundo, assim como quase todos os defeitos também, inclusive, a ingenuidade de querer ainda imaginar que tudo isso não se trata, da mesma forma, de um conto de fadas. É que de vez em quando eu me recuso a crescer, e está me fazendo falta aquela época em que eu acreditava que “eles se casaram e viveram felizes para sempre”!
Mônica Aubasi