Publicado em 2 comentários

Amei-te quando era adolescente amo-te no presente

Meu amor não tenho palavras para descrever o que vivemos desde quando fomos dois adolescentes. Vivemos momentos inseparáveis, momentos que nunca esquecerei e momentos que ainda acreditarei. Adolescentes fomos nós, sem qualquer senso e sem qualquer cumprimento, vivemos sempre o momento com  vontade, na gratidão e tive sempre a ti para me dares sempre a tua aptidão.

Seguimos como uns miúdos que viveram do perdão e não fazíamos a mínima ideia do que era a vida sem qualquer união. Apenas eramos dois jovens que andávamos a descobrir o amor, nem sabíamos realmente o que era a dor, a dor de amor.
Tudo o que mais queríamos era sim, viver a vida no paraíso, sem qualquer preconceito, sem qualquer defeito, e sem qualquer compromisso.

Neste momento, vivemos o presente mais  do que simplesmente, achamos que este querer e desejo é cada vez mais ardente, mas nada é igual ao que era antigamente.
Perduramos por cada instante em cada segundo, cada ano e cada minuto, a lembrar o passado que ficou para trás e a fazer cada vez mais para a nossa relação sempre conservar. Nada é mais bonito que ver os anos a passar!
Mas nem tudo são rosas, nesta vida temos as nossas lutas, as nossas discussões e as nossas angústias. Somos nada mais,
nada menos, que dois vínculos que acreditam que o amor vale a pena durar.

Amo-te no presente e quando era adolescente, amo-te quente e frio, apaixonei-me hoje e sempre por alguém que altamente divergente, mas, que sabe além de ser bastante diferente, amar, beijar e proporcionar algo bastante coerente. É difícil dizer não, para alguém que tanto conhecemos e muito mais difícil é deixar alguém magoado alguém que já tinha sido nada mais que nosso passado.

Se este amor vai durar, eu não sei, só sei que o que interessa realmente é o presente, algo que agora sinto adurente, algo que me dê mais prazer, encante e me alimente.
A verdade, é que o passado já passou, interessa agora é mesmo tudo que é vigente, o amor que é vivido, apetecido e nada mais que aprazido, claro e expressivo.
A verdade, é que eu amei-te quando era adolescente, amo -te no presente.

 

 

 

Publicado em Deixe um comentário

Ao teu lado é tudo mais simples

Antes eu estava bem sozinha, não me importava com a vida, nem sequer em encontrar alguém, era tudo diferente. Hoje é tudo mais simples, tudo mudou, dividir a vida com alguém é mágico e eu necessito do teu sorriso para sorrir também.

Pensando bem, chega-se realmente à conclusão que não existe uma pessoa completamente certa para nós e existe sim  a pessoa errada e é essa pessoa errada, complicada , que no fundo faz as coisas mais simples  e é aquela pessoa que nós passamos a vida a procurar como é aquela que tira a nossa respiração e que dá o amor mais certo e verdadeiro que nós podemos imaginar, simples assim.

Reflectindo bem, devemos sempre acreditar no amor, nós não fomos feitos para a desilusão muito menos para o sofrimento e se estamos realmente a sofrer então é porque não estamos com a pessoa certa ou que chamamos de “certa” para nós.

O amor procura sempre a simplicidade e dificulta-lo é maior asneira que devemos fazer. Precisámos sim de procurar o equilíbrio, não a dificuldade pois as coisas simples da vida vê-se, sente-se e principalmente imagina-se.

O amor bom, é tudo isso e muito mais é simples é mágico e só acontece se encararmos os nossos próprios medos, vencermos os nossos próprios obstáculos e enfrentarmos a nossas próprias rotinas. O amor é assim, simples,  como eu, como tu e como todos nós  é a pura inocência que tenho,  é um sentimento cheio de esperanças,  procurado, sentido, amado e acima de tudo necessário.

Tudo isto é o que sinto por ti quando estou contigo, esse amor bonito tem de ser vivido, reconhecido, sem nenhuma dificuldade, sem nenhum impedimento e muito menos sem nenhuma objeção. O amor quer-se com paz, tranquilidade em que as discussões acabam em abraços, os momentos em pequenos beijos e o viver da vida de forma mais pura e vital.

“ Tudo o que é verdadeiramente sábio é simples e claro.”
Máximo Gorky

kk