Publicado em 5 comentários

Eu sou do mês de Fevereiro

Para todos aqueles que são como eu, que nasceram no mês de fevereiro e que mostram ter não mais que uma personalidade simplesmente simpática e humana, este texto é para vocês.
Somos pessoas honestas e leais, originais e brilhantes, somos o que vemos e o que sentimos, somos tudo que são distantes e tudo que nos chama pela liberdade constante. Vimos aqui para enfrentar o mundo, não compreendemos quando ele nos virará as costas e não somos capazes de aceitar uma traição muito menos inesperada.
Gostamos sempre de lutar, lutar pela humanidade e pelas boas causas, fazer e planear sempre um futuro melhor é sempre um dos nossos objectivos. Abrimos portas sempre para a novidade e para o que é a criatividade, somos seres raros e maravilhosos, aprendemos com o presente e reivindicamos sempre o futuro.
Para nós que nascemos em fevereiro, não gostamos de promessas vazias nem muito menos de nos sentirmos sós. Temos uma personalidade fora do comum seja ela forte, atraente e sincera no que mostramos para cada um. Acreditamos que algumas vezes somos tímidos e sensíveis como bastantes pacientes, mas sempre seres sentimentais, realistas e originais. Procuramos a verdade e aprender com os outros, somos verdadeiramente claros e lógicos no que realmente queremos, mas às vezes, bastantes radicais no que verdadeiramente sentimos, vivemos desilusões emocionais, o que nos leva a exigir demais sempre do nosso companheirismo.
Somos aquilo que muitos queriam ser, independentes e livres. Para nós interessam-nos mais as ideias que propriamente os factos como gostamos muito mais de fazer projetos que propriamente realiza-los.
A independência faz igualmente falta como o próprio ar que respiramos e não conseguimos estar muito presos, temos de voar, conhecer e aprofundar. Adoramos sonhar e projetar. A novidade é sempre um sonho, somos bastante tímidos, mas depois de termos o à vontade adoramos brilhar adoramos mostrar e principalmente ganhar.
Contudo, eu adoro ter nascido no mês de fevereiro, formado por vinte e nove dias, tenho uma personalidade forte, gosto de tudo que é criativo, de artes e da tecnologia, escrevo porque me faz bem, me liberto, vivo do imaginário e do que é imenso, e prefiro sempre seguir os meus gostos incomuns, tendo determinado apreço a verdades cientificas e universais, como tendo muitas vezes a acreditar no que não é verdadeiramente real e no impossível.
Fonte:http://www.euroresidentes.com/
 
 
 
 

Publicado em Deixe um comentário

O nosso amor é transparente

O amor é transparente não se vê sente-se e eu continuo a ser a rapariga inocente. Não sei ao certo se amo ou se desejo, sei que é tudo novo para mim e é tudo que eu mais quero. Não tenho medo de dizer que sou maluca e tento no mundo transparecer, não, não sou aquela que disfarça e se esconde o que sente, só sei que o nosso amor é verdadeiro, é transparente.

Mas nada como um dia depois do outro, nada como o silêncio após o barulho, nada como a paz depois da guerra, nada melhor que descansar na sua própria companhia ou na companhia do outro, nada como disfarçar o que já foi disfarçado, e nada como transcrever o que já foi transcrito numa simples palavra de “amor”.

Porém, não morro de amores por quem seja mistério, quando alguém é feliz sem ser abençoado é raro leva-lo a sério. O nosso amor é transparente é de acreditar, é simples e sincero é a coragem de expandir os sentimentos e de tudo que seja mais um argumento.

O nosso amor é mesmo isso transparente não se vê, sente-se e nota-se, é como a água da vida com cheiro e sabor, é puro e límpido, é tudo que é verde, é simplesmente transparente. Da cor do mar do transparente da água e do vento, assim nasceu o nosso amor, sem terra e sem mar, o nosso amor é assim que eu gosto de explicar, e nada mais voltará para nos encarar.

Um dia, eu vou poder amar-te na chuva, mesmo ela sendo tão imprevisível, procurarei ser a tua companhia. Não esperes nada de mim não venho para servir, muito menos agradar, mas tento de todo ser o espelho transparente para contigo um dia ficar e um dia sonhar a acreditar, acreditar que o nosso amor será sempre aquele amor que nasceu para amar.

Publicado em Deixe um comentário

Não quero ser mais uma mas a única

Não quero ser a rapariga que tu tens ao teu lado quando te apetece e quando precisas, mas quero que tu me vejas como a única pessoa capaz de te fazer sorrir, rir sem intenção, caminhar contigo lado a lado sem intuição, a que estará sempre ao teu lado nos momentos mais cruéis, mas também nos momentos mais fiéis.
Quero acordar contigo todos os dias ao teu lado, quero que te lembres de todas as nossas saídas e nossas vitórias e que sintas o quanto gosto de ti. Simplesmente não quero ser mais uma, que se veja ao espelho como nunca que imagine mais uma que passou na tua vida e não deixou pegadas no teu coração. Quero sim, ser a única a única mulher que tu tens para amar, aquela que jamais tu irás deixar e aquela que tu queres um dia ficar.
Eu preciso dessa esperança e que tu fiques, preciso de ti e tu de mim para amar, preciso perceber o quanto tu já me amaste, me amas, e não pretendes esquecer. Preciso que me prometas que irás sacudir cada vez que já não penso em nós, a minha alma e que me proporciones a tua calma. Quero sonhar, porque sonhar não é impossível, quero lutar porque lutar é para quando é fácil ceder, quero vencer todos os obstáculos impossíveis contigo e negar quando a regra é vence-los, quero voar no implacável, quero tocar no insaciável chão, não me interessa se é complicado vencer ou não, o mais importante é um dia elevar o teu coração e permanecer nele até concederes a tua comunhão.
Nesse dia que acontecer e todas as guerras que um dia terei de percorrer, deitarei-me no teu leito e no meu perdão, vou saber que valeu a pena lutar pela tua paixão e assim sem nada a temer, saberei o dia do fim ou da finita aflição e mais uma vez o nosso amor nascerá como nasce uma flor a brotar do impossível chão.
Hoje, percebo o quanto tenho de ser feliz, correr atrás dos nossos sonhos e torna-los reais porque eu quero ser a única, a única pessoa que mostra a outras o quanto é ser feliz. Cansei de ver e sentir que sou a tal, de amar pela metade de viver contigo pela metade e de quem nunca serei a única pela verdade.
Deixa-me aceitar o caminho do amor e viver tudo como se fossemos um casal de verdadeiros apaixonados, esquecer tudo o resto e viver intencionalmente um novo mundo, um novo futuro e deixar tudo novamente supramencionado.
“Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira”.
Pablo Neruda


Publicado em Deixe um comentário

Serei sempre eu com uma chávena de café!

Por vezes forte, meiga e por outras vezes ácida, fria e deprimida esta serei sempre eu.
Nem sempre igual ao que escrevo e ao que exprimo, há dias que não me apetece revelar quem realmente sou e há dias que revelo realmente quem eu sou.
Mas quem olhar bem, repara que eu me apaixonei pelo sol vibrante de tanto calor e pela rapariga que apesar de tudo ama ser quem é.
Esta serei sempre eu com uma chávena de café para aquecer nos dias mais frios e acordar-me nos dias mais tenebrosos.  Sou uma pessoa ardente, árdua que mostra os pés bem assentes na terra, que ama ser como é, que vive  sempre, que diz muitas vezes que é feliz mas muitas vezes que nada melhorou e a chávena derramou.

Em momentos, pergunto-me porque a vida é tão ingrata,  tão mal merecida e necessito saber realmente quando esta etapa chegará ao fim. Assim, perdemos a alegria, o sentido da vida e insistimos permanecer nela até tudo voltar ao que era antes.  A vida é mesmo assim, ninguém pode prever ao mesmo tempo o presente e o passado, muito menos o futuro, quando tentarmos entender as coisas que acontecem connosco, sentimo-nos culpados, sem rumo e com uma grande angústia  porque a nossa alegria desapareceu.

As coisas passam, e o que podemos realmente fazer é deixar ir é bom realmente mudar, mudar para melhor e isso eu tento fazê-lo todos os dias. Tudo que existe neste mundo visível é uma manifestação de um mundo invisível e tudo que está num mundo invisível reaparece. Ninguém advinha a sorte muito menos sabe o seu azar, portanto é certo que às vezes ganhamos outras vezes perdemos. Existimos porque a vida assim o é e somos seres obrigados a viver do que o destino previu.

Esperando muito de mim, muito mais do que eu posso imaginar, é por essa razão que eu muitas vezes tento fugir. Eu sou apenas uma rapariga normal como tantas outras, que olha para si mesma e percebe que muitas das vezes o coração gelou. Olho para mim  e reparo que a minha pele é bem seca, os meus olhos penetrantes, a minha boca húmida e as minhas mãos geladas, mostram coragem, sonho e união.

Esta serei sempre eu com uma chávena de café, para o bem e para o mal, luto por aquilo que sou, desistir, nunca, irei atrás do meus grandes objectivos e o que a vida assim me reservou cheia de desafios. Esta serei sempre eu, o suficiente para encarar a mim mesma, fazendo-me de forte e trazendo a paz e a felicidade que sempre desejei.
Só quero que aceitem como eu sou, porque não tenho garantias de nada, nem tenho a defesa de ser alguém perfeito, eu também erro e errar faz parte da natureza humana, eu também falho, porque falhar faz parte do carácter da pessoa. Meu conhecimento é incompleto e procuro a todo o tempo ser uma aprendiz, porque sou eu, só eu, e tenho um longo caminho a percorrer, assim como todos nós, porque eu sou sempre eu e não existe mais ninguém igual a mim.

“Apesar de tudo, eu sou apenas eu.” 
Camille Labanca



Visualizar perfil de Ana Margarida Costa no LinkedIn Visualizar perfil de Ana Margarida Costa
Follow my blog with Bloglovin